sábado, 22 de novembro de 2008

Filme 60 segundos

Como estamos na epoca do Salão do Automovel:























http://i1.r7.com/data/files/2C95/948E/3DEE/26F3/013D/EE8E/ACE0/28C8/Ford%20Mustang%20GT500%20Eleanor%20ABRE1.jpg

É muito raro Hollywood fazer um filme cuja estrela é um carro, muito menos com um Mustang. É bem verdade que em muitos filmes o que se vê é o Mustang aparecendo em algumas partes, como por exemplo: no filme Hannibal quando um dos personagens, reconhece o carro pelo som que lhe é característico ou em um dos episódios de VIP onde Pamela Anderson sai em perseguição a um bandido dirigindo um Mustang amarelo com duas faixas brancas. No filme 60 segundos, definitivamente a estrela do filme não é nem Nicolas Cage com seus olhos claros, nem Angelina Julie com seus lábios carnudos, mas sim um Mustang preparado exclusivamente para o filme.

O Filme
60 segundos (Gone in Sixty Seconds) é um filme inspirado em outro do mesmo nome (Gone in 60 Seconds) filmado em 1974, mas que não fez sucesso na época, além de ser um filme extremamente pobre. Pobre ou não, a idéia de refazer o filme surgiu na Disney nas mãos do produtor Jerry Bruckheimer. Bruckheimer produziu sucessos como: FlashDance, Top Gun, Dias de Trovão, Armageddon,

A Rocha e Con Air. Com o texto de Scott Rosenberg, o mesmo que escreveu Con Air, Bruckheimer contratou Nicolas Cage para estrelar e Dominic Sena para dirigir. Já para o restante teve o cuidado de contratar os vencedores do Oscar, Robert Duvall e Angelina Julie. A História é parecida com a original em que um grupo de Ladrões precisa roubar 50 carros em 24 horas. Bruckheimer se preocupou em dar mais vida a Kip (Giovanni Ribisi) irmão de Memphis Raines (Cage) adicionando assim uma certa carga emocional ao filme. Mesmo assim a maioria das pessoas que assistem ao filme estão em busca da alta qualidade das cenas de ação. Ação esta que inclui assim como no filme original, um Mustang chamado Eleonor.

Criando Eleonor
Quando o filme começou a ser produzido, Eleonor não seria necessariamente um Mustang. "Nós realmente queriamos ver um GT40 atravessando L.A., voando baixo no rio L.A., fazendo tudo aquilo." Diz o designer de produção Jeff Mann. Quando o pessoal de Jeff fez o orçamento da utilização do GT40 no filme, perceberam seria impraticável utilizá-lo pois o custo ficaria em torno de 90 milhões de dólares, então voltaram para o Mustang.

"Nós estavamos procurando por um GT500 1967. Ele é um carro excelente, sem dúvidas," continua Jeff, "mas ele ia contra aqueles outros carros!" Isto preocupava em um filme que estaria cheio de Ferraris. "No contexto de todos aqueles outros carros, ele nao seria necessariamente o carro mais sessacional a aparecer no filme. Mas quando Jerry convenceu-me a fazer mudanças nele, pedimos a Steve Stanford um famoso ilustrador de Hot Rod que desenhasse para nós. Então ele fez uma ilustração de um GT500 1967."

O designer Chip Foose foi contratado pela produção para tornar o trabalho de Stanford em realidade, Foose criou um protótipo do carro alterando os farois da frente e as lanternas atrás. Ele projetou o capo do motor, as saias laterais, as entradas de ar e outras partes de fibra de vidro que seriam utilizadas no carro. A grade frontal foi baseada em uma peça originalmente desenvolvida para o Chevy Astro e para finalizar Foose colocou as rodas aro 17"x8" polegadas com pneus P245/40ZR17 Goodyear Eagle F1.

Nenhum dos escapamentos laterais e nem a tampa de combustível cromada na coluna lateral são funcionais em nenhuma das Eleonoras vistas no filme. Por que? Primeiro, porque fazer o escapamento lateral funcionar verdadeiramente é difícil, considerando a maneira como o Mustang 1967 é construído. E segundo, eles não precisavam funcionar. Uma vez as peças do protótipo terminadas e os moldes feitos, o projeto foi entregue nas mãos de Ray Clarig da Cinema Vehicle Services (CVS), onde construíram Eleonor.

Construindo Eleonor
"Em todo o meu tempo neste negócio", explica Ray Clarig, "este foi o show mais difícil". Devido ao tempo em que Eleonor teria que aparecer na tela e as manobras que teriam que ser feitas, várias Eleonoras tiveram que ser construídas. Foram construídas 12 Eleonoras para o filme, incluíndo o protótipo, que não aparece no filme. A construção das Eleonoras começou com a divulgação de anúncios para compra de 1967 e 1968 Mustangs Fastbacks. A CVS conseguiu os carros com motor 289 e ao menos um deles era um Mustang GT com motor 390.

Devido aos carros terem que fazer diferentes coisas durrante o filme, não construíram duas Eleonoras iguais. Todos os carros são rebaixados, mas alguns deles receberam reforço de suspenção da Total Control. Alguns foram projetados para escorregar nas curvas, alguns para sobreviver a um salto, e outros para serem destruídos. Ao menos um carro foi envenenado para correr no canal de concreto do Rio de Los Angeles.

As Eleonoras foram um misto de trabalho de design e engenharia. Os carros foram feitos para se apresentarem bonitos no filme e para fazerem bem suas tarefas.

Das 12 Eleonoras construídas, 7 sobreviveram ao fim do filme e voltaram para as posses da CVS. Dois dos carros foram destruídos fazendo o polêmico salto do fim do filme. O salto foi feito em duas partes. Primeiro o carro pulou a rampa e foi destruído durante a aterrissagem. O outro carro fez um salto grande e aterrissou em uma pilha de caixas macias. De acordo com o coordenador de manobras Jonhny Martin, o carro está em estado razoavelmente bom. Outro carro foi levantado por cabos até uma parte do salto e solto para que fosse feita a aterrissagem. E finalmente, outro foi destruído ao saltar para fora da pista da ponte, este carro foi destruído totalmente. Mais duas Eleonoras foram destruídas, uma quando foi levantada pelo guindastre no ferro velho e outra no demolidor de carros.

A Eleonor Mais Bonita De Todas
Entretanto ela não aparece no filme, a mais bonita Eleonor de todas foi construída pela CVS para o produtor Bruckheimer. Ela é um verdadeiro 1967 Shelby GT-500. A saída de escapamento lateral funciona e também a entrada de combustível na coluna lateral. Algumas peças da Total Control foram colocadas, mas a suspensão nao foi tocada.
A décima terceira Eleonor, possui o motor 428 com o cambio original automático trocado para um de quatro marchas.
fonte: www.icarros.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário