quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

USB Killer: conheça o pendrive feito para "fritar" seu computador


PC World / EUA
16 de março de 2015 - 10h50
Criado por entusiasta "faça você mesmo", acessório simboliza ameaça de conectar pendrives de outras pessoas no seu laptop.
Já ouviu histórias sobre pendrivers maliciosos “fritando” PCs e achou que era um pouco demais? Um engenheiro também ouviu isso, e então se mobilizou para criar um protótipo.
O aparelho “USB Killer” foi criado por um entusiasta de hardware “faça você mesmo” (DIY) que descreveu seu projeto, juntamente com imagens e detalhes técnicos, em uma plataforma de blogs russa no mês passado. Uma versão em inglês do post foi publicada na semana passada em outro site.
O pendrive malicioso usa um conversor “DC para DC” invertido para puxar energia da entrada USB do computador para carregar um capacitor bank para 110 volts (voltagem negativa). Essa energia então é enviada de volta à interface USB por meio de um transistor e o processo é repetido em um loop.
“A combinação de alta voltagem e alta corrente é suficiente para derrotar pequenos diodos TVS nas linhas e fritar sucessivamente alguns componentes sensíveis – e geralmente a CPU”, afirma o site especializado Hackaday.
“O USB costuma ser integrado à CPU na maioria dos laptops modernos, o que torna esse ataque bastante eficiente.”
O criador do USB Killer, que usa o nome online de Dark Purple, alega trabalhar para uma empresa que fabrica eletrônicos e disse que pediu na China a placa de circuito customizada e outros componentes que usou no experimento.
Ele supostamente teve a ideia para criar o aparelho destrutivo após ouvir uma história sobre um cara que roubou um pendrive da mochila de alguém no metrô e então teve o notebook “frito” ao plugar o acessório.
Pesquisadores de segurança alertam há bastante tempo sobre os riscos de segurança de inserir pendrives de outras pessoas no seu PC, e mesmo de pessoas que você confie. No entanto, se a ameaça de infecções de malware não te assusta o bastante, a possibilidade de dano elétrico pode mudar isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário